A Igreja não tem garantias de que ela sempre terá um papa (sem interrupções); mas quando ela possui um, é garantida à ela um que seja Católico.

Thursday, August 4, 2016

Santa Catarina de Sena & Sedevacantismo

Catherine_of_SienaSta. Catarina de Sena

No mês passado recebi um email interessante perguntando sobre uma citação de Sta. Catarina de Siena e como concilia-la com o Sedevacantismo. Aqui está a citação:

"Mesmo se o Papa fosse Satanás encarnado, não deverímos levantar nossas cabeças contra ele, mas com calma deitarmos em seu seio para descansar. Aquele que se rebela contra nosso Pai é condenado à morte, pois aquilo que fazemos à ele, fazemos à Cristo: honramos à Cristo, se honramos o Papa; desonramos Cristo, se desonramos o Papa. Eu sei muito bem que muitos se defendem ao declarar: "Eles são tão corruptos, e cometem todo tipo de mal!" Mas, Deus ordenou que mesmo se os padres, os pastores, e o Cristo-na-terra fossem demônios encarnados, deveríamos ser obedientes e sujeitos à eles, não por causa deles, mas por amor à Deus, e por obediência à Ele."


- Santa Catarina de Siena, em Sta. Catherine de Siena, SCS, p. 201-202, p. 222.


A resposta:


Santa Catarina está simplesmente usando uma "força de expressão" para enfatizar um ponto. A de que Papas, bispos e padres podem ser maus, mas isso necessariamente não os tornam "não-papas / não-bispos / não-sacerdotes".


Observe que Santa Catarina está se referindo a um papa, e não à um antipapa. Por lei Divina e da Igreja, hereges / apóstatas não podem, de forma alguma, serem papas. Portanto, Santa Catarina não estava se referindo ao oxímoro papa herético. 


Nossa posição é a de que os papas devem ser Católicos para serem papas. Sua santidade ou maldade não tem qualquer influência sobre a questão que tratamos no momento. Portanto, a declaração de Santa Catarina não tem qualquer influência sobre o sedevacantismo, exceto que a declaração dela corrobora com nossa posição contra a FSSPX, que defende a desobediência aos papas.


Dito isto, o contemporâneo de Santa Catarina, São Vicente Ferrer nos dá o precedente histórico. Escrevi sobre isso aqui: O sedevacantista São Vicente Ferrer.


Tenha em mente que a segunda marca da Igreja Católica é a santidade. É artigo de fé [o ensino] de que a Igreja é santa. Isso incluiria todos os seus ensinos, leis e práticas. Se um único ensinamento, lei ou prática não for santo, então você sabe que não é a Igreja Católica.


Portanto, apesar de um papa poder ser profano, ele jamais poderia promulgar um ensino, lei ou prática profana para a Igreja universal. No entanto, os papas do Vaticano II já promulgaram coisas que a Igreja condenou como profana, como uma liturgia prejudicial. Bento XVI chegou a admitir em sua autobiografia que a missa nova "provocou extremo e grave dano à Igreja", o que é impossível para a verdadeira Igreja, especialmente à luz do ensinamento do Papa Pio XII de que a liturgia é uma fonte não contaminada. Coroinhas [meninas] foram condenadas várias vezes, mas João Paulo II aprovou-as através do direito canônico. Leia aqui: Meninas coroinhas/acólitas são impossíveis para a verdadeira Igreja Católica.


Os papas do Vaticano II têm promulgado várias heresias e práticas condenadas, tais como: a heresia de uma Igreja formalmente dividida de Cristo, communicatio in sacris com não-católicos, um direito civil à liberdade religiosa, a Revelação Divina foi concluída na Crucificação, os judeus não são apresentados nas Escrituras como rejeitados ou amaldiçoados, deficiências na formulação da doutrina da Igreja devem ser colocadas corretamente, etc. Eu poderia fornecer outras coisas, mas estas bastam.


Ou sedevacantismo é verdadeiro ou as portas do inferno prevaleceram. Faça sua escolha.


Se Santa Catarina de Sena vivesse hoje, ela ficaria horrorizada ao pensar que algum Católico pudesse acreditar que Francisco fosse papa. Ela diria que o diabo é mais qualificado.


Vou colocar esta pergunta e resposta para as outras pessoas que já hesitaram em aceitar o fato de que Francisco não é papa baseados na citação de Santa Catarina.



Fonte: https://stevensperay.wordpress.com/2016/06/10/st-catherine-of-siena-and-sedevacantism/

O Sedevacantista São Vicente Ferrer


sanVicenteFerrer01



São Vicente Ferrer é de longe o maior operador de milagres que o Cristianismo já viu. Mais de 700 milagres foram lidos durante a sua canonização e eles pararam porque haviam outros muitos casos documentados para eles lerem.

Ele ressuscitou mais de 30 pessoas.

Ele livrou mais de 70 pessoas de possessão demoníaca. Só a menção do nome de São Vicente fazia os demônios fugirem.

Ele converteu mais de 25.000 judeus, 8.000 muçulmanos, e muitos hereges à Igreja Católica. Ele poderia entrar em uma Sinagoga ou Mesquita e converter todos eles em uma homilia.

Ele anunciou que era o Anjo do Juízo do apocalipse. Quando espectadores zombavam dele por dizer isso, ele trouxe uma mulher de volta à vida que testemunhou publicamente que ele era, de fato, o anjo do Juízo.

Apesar de todos estes acontecimentos, há um em especial que é esquecido.

Sua obsessão era a unidade Católica. Na época, a Igreja estava dividida, não na fé, mas na liderança. Pelo menos três homens pretendiam ser papa, ao mesmo tempo. Um deles estava em Roma, um em Avignon, e o outro em Pisa. São Vicente Ferrer foi o maior campeão da linha de Avignon, e sua influência levou a metade do mundo Católico a depositar sua fidelidade em Avignon.

Depois de anos defendendo o papado de Avignon, São Vicente Ferrer tornou-se oficialmente um sedevacantista na Festa da Epifania, 1416, no Castelo de Maiorca.

Usando julgamento privado, São Vicente Ferrer denunciou seu amigo Papa Bento XIII de causar um cisma por não deixar o cargo juntamente com os outros que clamavam ser papas, a fim de que a Igreja pudesse ser unificada sob um só papa.

O grande milagreiro tinha muitos seguidores e quando São Vicente Ferrer declarou que a Cátedra de Pedro estava vazia, quase todo o mundo Católico quebrou aliança com todos os requerentes papais, abrindo caminho para o Papa Martinho V.

Sem São Vicente Ferrer, o Grande Cisma teria durado muito mais anos.

O exemplo de São Vicente Ferrer destrói todos os argumentos contra os princípios do sedevacantismo que nenhum aviso, nenhuma declaração, etc. são necessários para saber que um papa tenha perdido seu cargo devido à heresia ou cisma.

Alguns podem argumentar que a linha de Avignon nunca foi a linha válida de qualquer maneira. No entanto, isto é uma questão de opinião, haja vista que o Anuário Pontifício não é tecnicamente um documento Católico oficial. E isso não vem ao caso, pois São Vicente acreditava que Bento XIII era o verdadeiro papa que perdeu seu ofício automaticamente, sem qualquer declaração da Igreja. São Vicente também rejeitou a linha romana por completo.

São Vicente Ferrer, um Dominicano altamente educado na Fé, tornou-se um sedevacantista por seu próprio julgamento contra seu amigo, o Papa Bento XIII.

Ele conhecia sua Fé, e ele a colocava em prática.

São Vicente Ferrer, rogai por nós!

Fonte: https://stevensperay.wordpress.com/2014/11/27/the-sedevacantist-saint-vincent-ferrer/