A Igreja não tem garantias de que ela sempre terá um papa (sem interrupções); mas quando ela possui um, é garantida à ela um que seja Católico.

Tuesday, July 26, 2016

Dr. Roberto de Mattei x Sedevacantismo


Um papa do século XIV foi "herege" e manteve-se papa, assim, também, Bergoglio deve permanecer papa, certo? 

I. João XXII não foi um herege

Roberto De Mattei reconhece Francisco
baseado no "herege" João XXII?
A acusação de heresia surgiu a partir de uma série de sermões pregados por João XXII, em Avignon, França, em que ele afirmou que as almas dos bem-aventurados que morriam não viam Deus até depois do Juízo Final. Primeiramente isso nos parece promissor como um argumento anti-sede, uma vez que João XXII foi sempre reconhecido como um verdadeiro papa. Contudo:

(A) A doutrina sobre a visão beatífica ainda não havia sido definida -- o sucessor de João XXII, Bento XII viria a fazer isso.

Dr. de Mattei, talvez sentindo uma fraqueza em sua analogia devido a isso, hesita nesse ponto: quando se tornou o ensino comum sobre a visão beatífica, na época, John XXII "contestou a tese", "caiu em heterodoxia", "entrou em conflito com a tradição da Igreja sobre uma questão de importância primordial", "sustentou o ponto de vista", "re-propôs o erro", "tentou impor essa visão errada", etc.

Portanto, no título de seu artigo, Dr. de Mattei fala de "um papa que caiu em heresia", mas ele foge de empregar o específico termo técnico "heresia" em seu texto. E a heresia dos papas pós-conciliares, incluindo Bergoglio, é o ponto de partida para o argumento sede.

(B) Depois, há o modo que João XXII, que havia sido um teólogo antes de sua eleição, empregou para apresentar seus argumentos e conclusões.

Aqui, o teólogo Le Bachlet diz que João XXII propôs seu ensino apenas como um "doutor particular que expressava uma opinião, hanc opinionem e quem, ao tentar provar isso, reconheceu que estava aberto ao debate." ("Benoit XII, "em Dictionnaire de Théologie Catholique, 2:. 662)

Portanto, é incorreto o Dr. de Mattei afirmar que João XXII propôs sua tese como "um ato de magistério ordinário sobre a fé da Igreja."

Além disso, no segundo sermão do papa, ele disse o seguinte:

"Eu digo com Agostinho que, se estou enganado quanto a este ponto, deixe alguém que saiba mais me corrigir. Para mim, não parece de outra forma, a menos que a Igreja declare com uma afirmação contrária [nisi ostenderetur determinatio ecclesie contraria], ou se as autoridades na Sagrada Escritura expressarem de forma mais clara do que o que eu disse acima." (Le Bachelet, DTC 2 : 662).

Tais declarações excluem o elemento de "pertinácia" própria da heresia.

Portanto, duas das condições que, por definição, são necessárias para existir a heresia, simplesmente não estavam presentes, no caso de João XXII.

======

II. João XXII se tornou Papa validamente, enquanto Bergoglio nunca se tornou um

O segundo ponto que a analogia implícita do Dr. de Mattei falha é sobre a velada suposição de que, assim como João XXII, Bergoglio obteve validamente a autoridade papal em primeiro lugar, e que ele pudesse de alguma forma mantê-la, apesar da heresia pública.

Bergoglio, no entanto, era um herege público antes de sua eleição, e como um herege público, ele não poderia ser validamente eleito papa.

O princípio é uma questão de direito divino. Ao tratar os requisitos para a eleição para o ofício papal, inúmeros comentários pré-Vaticano II sobre o Código de Direito Canônico estabelecem explicitamente este princípio. Por exemplo:

"Aqueles capazes de serem validamente eleitos são todos os que não são proibidos por lei divina ou por uma invalidada lei eclesiástica... Aqueles que são barrados como incapazes de serem validamente eleitos são todas as mulheres, as crianças que não tenham atingido a idade da razão; além disso, os que sofrem com habitual insanidade, os não-batizados, hereges, cismáticos ... " (Wernz-Vidal, Jus CANONICUM 1: 415)

Fazemos apenas este ponto [mas] fornecemos mais citações em um artigo anterior, cujo título explica porque a analogia do Dr. de Mattei sobre "João XXII & Bergoglio" é falha: Bergoglio não tem nada a perder. [esperando ainda a tradução]

* * *

Portanto, em ambos os casos - heresia e válida obtenção da autoridade papal - a analogia entre João XXII e Francis é mais uma barreira instável que deve ser derrubada para reconhecer a única explicação lógica para Bergoglio: Ele é um herege que nunca foi um verdadeiro papa para começar a conversa.

Qualquer outra coisa é conversa para boi dormir.


Rev. Anthony Cekada

Acompanhe Missas Tradicionais e outras celebrações ao vivo (Webcasting)

Ótima opção para as inúmeras almas de fiéis católicos que não possuem uma Missa Tradicional para ir, ou um sermão tradicional do dia para ouvir (infelizmente somente em Inglês nesse link).



• Missa Dominical: 8:30 AM, 10:00 AM (Solene), 12:30 AM, 6:45 PM. (Horário de Brasília)

• Dias escolares: 12:20 AM (Solene) com sermão para as crianças (Horário de Brasília)


• Sexta-feiras: 6:45 PM com Adoração ao Santíssimo. Sábado: 8:30, 9:10 AM(Horário de Brasília)


Fiquem a vontade para fazer doações seguras via Paypal se puderem e quiserem. Ajudemos de alguma forma aqueles que lutam para o Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Que Deus e Nossa Senhora possam nos abençoar na manutenção e propagação da imutável Fé Católica!

_____________


O que fazer quando não se tem a Missa

10 dicas do Bispo Daniel L. Dolan


Muitas vezes me perguntam: "O que devo fazer se não tenho a missa?"

Em primeiro lugar, não é um pecado perder massa devido à grande distâncias ou outras sérias circunstâncias escusatórias. É um pecado, no entanto, participar do Novus Ordo. Ele é um pecado, também, objetivamente falando, assistir a uma missa tradicional em latim de forma válida, [mas] que é oferecida em união com o modernista "falso-papa"  e sua hierarquia. (Para obter uma explicação, consulte grãos de incenso; sedevacantistas e as missas Una Cum, e Devo Assistir uma missa em que os nomes de Bento XVI se encontram no Canon?) A Igreja nunca teria permitido tal assistência no passado. É uma mentira, é um sacrilégio, e é gravemente ofensiva a Deus Todo-Poderoso.

Mas o que fazer se você não tem boas Missas disponíveis? Pe. Cekada aconselhou recentemente um correspondente a "aprofundar o seu próprio conhecimento da fé católica, educar-se sobre os erros dos modernistas, santificar-se, formar os membros de sua família na fé pela palavra e pelo exemplo, fazer o seu melhor para manter um espírito alegre em face da adversidade e colocar tudo nas mãos de Deus", e eu sinceramente endosso suas palavras.

Em uma palavra: Faça tudo que puder em casa, sem um padre! Aqui estão alguns detalhes:

1.
CONFIGURAR UM ALTAR DA FAMÍLIA: Configurar um
altar família ou santuário. Entronizar o Sagrado Coração lá como Rei do Amor em sua casa. (Você pode obter o cerimonial de nós.)

2.
USAR OS SACRAMENTAIS: Ter e usar velas bentas, água benta (podemos enviar-lhes se você cobrir o custo postal), bem como um crucifixo, estátuas abençoadas e imagens santas, medalhas e escapulários. Também adquirir e usar os vários sacramentais abençoados em festas especiais do ano litúrgico: Cruz de Ramos, ervas e flores da Assunção, bênção dos Três Reis, Ramos abençoados, etc.

3. BENZER!  Aspergir sua casa com água benta com frequência, abençoe sua comida e seus filhos. Faça sinais da cruz freqüentes.

4.
DEFINIR UM HORÁRIO REGULAR PARA ADORAÇÃO: Separe um tempo todos os domingos para as orações da missa, leitura espiritual e catecismo, especialmente para as crianças.

5.
REZAR ORAÇÕES ESPECIAIS PARA O DOMINGO: Sua hora devocional de domingo pode assumir muitas formas:

-Colecta, Epístola e Evangelho, com um ato de Comunhão Espiritual
-As orações do rosário, da estação ou outra propícia, tais como Litanias
-"Missa para o Ausente" ou o livro do Padre Goffine "Modo de seguir a Missa em casa"
-Padre Mateo e a "Missa de São João"

6. OUVIR NOSSOS SERMÕES: Temos um grande arquivo de excelentes sermões no site Santa Gertrudes a Grande, pregado por uma variedade de pregadores e cobrindo uma variedade de tópicos: a liturgia, o santo do dia, a doutrina católica, a apologética , temas morais, questões contemporâneas, as questões de interesse especial para os católicos tradicionais, e muito, muito mais. Você pode ouvir os sermões online ou transferi-los para um mp3.

7. ASSISTA A MISSA NA INTERNET: Configurar um computador e usar a Internet para seguir as nossas transmissões ao vivo da Missa no site SGGResources.org. Os tempos para os webcasts regulares (fuso horário do Leste) são os seguintes:


• Missa Dominical: 8:30 AM, 10:00 AM (Solene), 12:30 AM, 6:45 PM. (Horário de Brasília)

• Dias escolares: 12:20 AM (Solene) com sermão para as crianças (Horário de Brasília)

• Sexta-feiras: 6:45 PM com Adoração ao Santíssimo. Sábado: 8:30, 9:10 AM(Horário de Brasília)

• Sábados: 8:30, 9:10

 Dias Santos: manhã e à noite, como anunciado no boletim SGG


8. NÃO TEM INTERNET? Usar um DVD: Se você não pode assistir a um dos nossos webcasts ao vivo, compre um DVD da Missa, tais como as nossas três Missas Tradicionais em DVD. Assista e ouça-a devotamente, unindo-se com as Missas oferecidas naquele dia.

9. HOMESCHOOLER? SINTONIZE! Visite o nosso site webcast nos dias escolares às 12:20 PM para a missa solene e um sermão curto voltado para as crianças.

10. TORNE-SE UM PAROQUIANO VIRTUAL DA SGG 
(Santa Gertrude, a Grande)! 
Inscreva-se como um membro "virtual" de Santa Gertrude, a Grande. Apoie-nos regularmente como se fosse sua própria paróquia. (Você pode fazer isso aqui.) Fique em contato com a gente. Leia o Boletim de domingo online. Se você mora em os EUA, vamos tentar enviar um sacerdote para você, se possível, pelo menos de vez em quando. Nós também podemos conhecer outros bons padres em sua área, ou ser capaz de ajudá-lo a encontrar um.

O que faço se não tenho missa? Faça alguma coisa. Faça tudo que puder! Deus não pede mais que isso, e Ele nunca nos abandona sem a sua generosidade. Que o Sagrado Coração reine como o Rei do Amor em sua casa!

http://www.fathercekada.com/2014/07/31/what-to-do-if-you-have-no-mass/

Monday, July 18, 2016

O caso do Papa Honório

"Eu tenho intencionalmente evitado tratar da evidência histórica no caso de Honório (texto do quarto capítulo) pelas seguintes razões:


Picture 1. Porque é suficiente para o argumento daquele capítulo afirmar que o caso de Honório é duvidoso. É em vão para os antagonistas da Infalibilidade Papal citar este caso como se fosse certo. Séculos de controvérsia estabeleceram, além da contradição, que a acusação contra Honório não pode ser levantada por seus antagonistas mais ardentes além de uma probabilidade. E esta probabilidade, em sua máxima, é menor do que a de sua defesa. Por isso, afirmo que a questão é duvidosa; o que seria abundantemente suficiente contra a decisão privada de seus acusadores. O acúmulo da evidência para a infalibilidade do Romano Pontífice supera todas essas dúvidas.


 2. Porque o argumento do quarto capítulo necessariamente exclui toda a discussão dos fatos detalhados. Se tivessem sido introduzidos no texto, os nossos antagonistas teriam evitado mencionar, e confundido o argumento através de uma discussão de detalhes. Vou afirmar aqui, no entanto, que os seguintes pontos no caso de Honório podem ser abundantemente comprovados a partir de documentos:

(1) Que Honório não definiu nenhuma doutrina que seja. (2) Que ele proibiu a realização de qualquer nova definição. (3) Que a sua culpa foi precisamente nessa omissão da autoridade Apostólica, pela qual o mesmo foi justamente censurado. (4) Que suas duas epístolas são totalmente ortodoxas; apesar dele ter escrito fazendo uso da linguagem comum da época, anterior a condenação do Monotelitismo, e não como ela tornou-se necessária depois. [Mas] É um anacronismo e uma injustiça censurar sua linguagem, usada antes da condenação, [assim] como poderia ser justo censurá-la após a condenação ter sido feita.

 Acrescento á isso, a excelente passagem a seguir da recente Pastoral do Arcebispo de Baltimore: 224 O Concílio Vaticano.

 "O caso de Honório não constitui nenhuma exceção; pois , Honório diz expressamente em suas cartas a Sérgio, que ele não pretende definir nada, e ele foi condenado justamente porque ele retardou e não definiu;, porque, em suas cartas, ele claramente ensinou a reta doutrina católica, apenas omitindo o uso de certos termos, que eram novos na Igreja daquele tempo; e , porque suas cartas não foram dirigidas a um concílio geral para toda a Igreja, e eram bastante privadas ao invés de públicas e oficiais; pelo menos elas não foram publicadas, mesmo no Oriente, e mesmo vários anos depois. A primeira carta foi escrita para Sergius em 633, e oito anos depois, em 641, o Imperador Heráclio, ao se desculpar com o Papa João II, sucessor de Honório', por ter publicado seu edital -- o Ecthesis -- que gozou silêncio nos litigantes, semelhante à imposta por Honório, coloca toda a responsabilidade, então, em Sergius, o qual ele declara, ter composto o edital. Evidentemente, Sérgio não havia comunicado a carta ao imperador, provavelmente porque seu conteúdo, se publicado, não teria servido seu astuto objetivo de introduzir secretamente, sob uma outra forma, a heresia Euticiana. Assim, cai por terra o único caso em que os adversários da infalibilidade continuaram a insistir. Esse assunto já foi exaustivo tratado por muitos gabaritados escritores recentes '.


 Sobre a questão de Vigílio, consulte Cardinal Orsi De irreformabili Rom .. Pont, em definiendis fidei controversiis judicio, tom. Eu. p. Eu. capp. 19, 20; Jeremias um Privileg do Benetti. vindic S. Petri. p. II. tom. V. art. 12, p. 397, ed. Romano. 1759; Ballerini De vi et ratione primatus, cap. 15; Lud. Thomassin, Disp. xix. em Concil .; Petr. De Marca Diss, de Vigilio; Vincenzi em S. Gregorii Nyss. et Origenis scripta cum App. de Actis Synodi V. tom. IV. e v.


 Sobre a questão de Honório, entre escritores mais velhos: Ios. Biner S. J. em Apparatu eruditionis, p. III. IV. e xi. ; Orsi, op. cit. capp. 21-28; Bellarm. De Rom. Pontif. liv. iv .; Thomassin, op. cit. Diss. XX. ; Natalis Alex. Hist. Eccles. SAEC. VII. Diss. 2.; Zaccaria Antifebrom. p. II. lib. IV. Entre autores posteriores, consulte Civilla cattolica, ann. 1864, sor. v. vol. XI. e xii. ; Sohneeman, Studia em qu. de Honorio; Ios. Pennacchi de Honorii I. Romani Pontificis causa no Concilio VI ".
  O Concílio Vaticano e suas definições, o cardeal Manning, Pages 223-224 The Vatican Council and its definitions, Cardinal Manning, Pages 223-224

Fonte

O "erro" do Papa Nicolau I


PERGUNTA: Eu tenho debatido com alguém sobre o sedevacantismo. Para provar que o papa ensinou erro em um
documento oficial, o meu adversário apontou a carta do Papa Nicolau I para os Búlgaros (Dz 335), em que o Papa diz que aqueles batizados em nome de Cristo não devem ser rebatizados (veja Ott, 353, e Suma III, Q66, A6).

Ott diz que é uma questão em aberto. No corpo do artigo, São Tomás parece dizer que você precisa usar explicitamente a fórmula tributária, enquanto nas respostas às objeções, ele diz que os Apóstolos batizavam em nome de Cristo por uma inspiração especial.

Estaria o Papa Nicolau em erro?

RESPOSTA: Não. O teólogo Pesch (Praelectiones Dogmaticae de Sacramentis 1: 389) reproduz na íntegra a resposta do Papa Nicolau e afirma que o papa "não estava sendo questionado sobre a forma de batismo, mas sobre a pessoa do ministro; e assim ele corretamente respondeu que no que se refere ao ministro, tudo dependia de sua intenção ".

PERGUNTA: O meu adversário apresentou também várias declarações para mim, uma das quais era a do Papa Adriano VI: "Muitos pontífices romanos foram hereges, o último deles foi João XXII." Além de não ter sido capaz de encontrar nenhum Papa Adriano VI nas obras de referência, João XXII diz, ele mesmo, que nunca ensinou tal doutrina ou mesmo tal coisa. Seria a citação de Adriano genuína?

RESPOSTA: A suposta citação de Adriano VI tem sido trazida a tona por anos.

A única fonte que tenho visto sendo citada por ele é a de Paul-Marie Viollet, Infalibilidade Papal e a Syllabus, (1908). Durante o reinado de São Pio X, este trabalho foi colocado no Índex de Livros Proibidos. (Decreto, 5 de abril de 1906. Veja R. Naz ", Viollet, Paul-Marie," Dict Droit Lata, 7:... De 1511)

Eu nunca fui capaz de localizar o livro de Viollet para verificar a alegada fonte principal para a citação.

PERGUNTA: Obrigado pela sua resposta sobre Adriano VI e sobre Nicolau I. Não fiquei satisfeito com a sua citação de Pesch -- em que o Papa se referia à pessoa do ministro e à sua intenção -- por causa da passagem em Ott (353)  que fala da forma.

RESPOSTA: Ott é apenas uma visão geral de um volume. Não é prudente confiar em Ott sozinho quando se discutem questões complexas ou disputadas na história da teologia dogmática.

Pesch estava realmente correto. Outros tratados mais longos sobre os sacramentos dizem que a frase na resposta "in nomine Christi" não se refere à forma de batismo, mas a (a) "qualidade do ministro", tal como a sua intenção (Doronzo, de Baptismo, 70; Pohl, Sacramentos 1: 224), ou (b) a distinção entre o batismo de Cristo e do batismo de João (Solà, de Sacramentis, ¶47-8).

Todos concordam, porém, que a resposta de Nicolau I foi uma resposta privada -- por isso não teria qualquer influência na questão sedevacantista. Todas as autoridades que nós sedevacantistas citamos, se referem a um papa que seja um herege público.

PERGUNTA: Por outro lado, São Tomás (III.66.6) também está tratando de saber se a forma "em nome de Cristo" é suficiente para a validade, e se lê no Dz 335: ".. se de fato eles tiverem sido batizados no nome da Santíssima Trindade ou apenas em nome de Cristo ... " (Aqui ele fala de um ou outro) 

Eu não quero ser uma praga, mas eu não quero dar uma resposta que eu não possa me defender. No entanto, na parte inferior do meu Denziger Hünermann, há uma nota de rodapé que acompanha esta passagem (Dz.H. 646): "Para a interpretação desta frase, cf. O. Faller, "Die Taufe im Namen Jesu bei Ambrosius": Festschrift 75 Jahre Stella Matutina I (Feldkirch / Vorarlberg 1931) 139-150; G. Barielle: DThC 2 / I (1905) 184. "

Se você tiver tempo e um acesso qualquer á este material você poderia ver o que eles dizem sobre esta questão?


RESPOSTA: A última citação é de um artigo no Dictionnaire de Thélogie Catholique que os Pais [da Igreja] discutem longamente a frase "em nome de Cristo". A explicação do DTC desta passagem em São Ambrósio citadas na resposta de Nicolas I é, em parte, da seguinte forma:

"Às vezes nos Pais [da Igreja], surgem perguntas sobre o batismo conferido em nome do Senhor, ou em nome de Cristo. Tal expressão não permite crer que existia um batismo conferido em nome de Jesus Cristo somente, com a exclusão do Pai e do Espírito Santo. ... A passagem que se segue no tratado mostra claramente que São Ambrósio não estava falando sobre a fórmula a ser pronunciada ao conferir o batismo, mas sim sobre a fé requerida na Trindade [por parte do adulto destinatário] para a validade do batismo. " Baptême d'après les Pères Grecs et latinos, DTC 2 : 184.


Finalmente, os adeptos da FSSPX  e aqueles que têm uma posição semelhante, inevitavelmente apontam para casos de "erros papais" alegados (Honório, Libério, João XXII, etc.), a fim de justificarem suas afirmações de que se pode "reconhecer" alguém como um verdadeiro papa, mas ao mesmo tempo, "resistir" seus ensinamentos e leis. Apologistas Católicos, historiadores e teólogos, entretanto, têm repetidamente - e eu quero dizer repetidamente - demonstrado que as alegações contra estes papas são falsas.

Ao continuarem a espalhar estas alegações, os adeptos da FSSPX e similares, se colocam em companhia teológica com o Galicanismo, com a ICAB [igreja 'católica' brasileira] e muitos outros inimigos da infalibilidade papal -- essas não são muito boas companhias quando se pretende defender a tradição Católica.


============================================

Fonte

Saturday, July 16, 2016

Papa Pio IX e a posição "Reconhecer & Resistir" da FSSPX, 'Resistência' e afins

Seria possível reconhecer a autoridade do papa sem --ao mesmo tempo-- reconhecer as prerrogativas de sua autoridade?

A autoridade Papal é infalível no ensino da fé e moral, mesmo no exercício do magistério ordinário universal, e é infalível na matéria de culto e disciplina, não podendo prescrever nada pecaminoso, herético ou prejudicial para as almas nesse quesito. O reconhecimento da autoridade papal em Paulo VI ou João Paulo II, automaticamente implica o reconhecimento de que não há erros doutrinários no Vaticano II, e que a liturgia e os sacramentos do Novus Ordo  assim como o Código de Direito Canônico de 1983, não pode haver erro doutrinário ou qualquer coisa pecaminosa e prejudicial as almas. O máximo que se pode dizer de tais coisas, se elas forem consideradas oriundas de verdadeira autoridade papal, é que elas podem ser imprudentes, talvez menos ascéticas, ou de alguma forma extrinsecamente repugnantes. Elas devem ser consideradas intrinsecamente Católica, perfeita, e que conduz á salvação eterna. O Papa Pio VI declarou ser "falso, imprudente, escandaloso, pernicioso, ofensivo aos ouvidos piedosos, nocivo á Igreja e ao espírito de Deus, pelo qual é regido, ou pelo menos errôneo", a proposição de que a Igreja poderia prescrever alguma disciplina que fosse falsa ou perniciosa (Denz. 1578). O Papa Pio IX execrou aqueles que, por um lado, reconheciam sua autoridade, mas, por outro, ignoravam suas disciplinas: 

"De que adianta proclamar em alto e bom som o dogma da supremacia de São Pedro e seus sucessores? De que adianta repetir incessantemente as declarações de fé na Igreja Católica e de obediência á Sé Apostólica quando, na prática, as ações desmentem essas belas palavras? Além do mais, tal rebelião mostrada não a torna ainda mais indesculpável pelo fato que a obediência é tida como uma obrigação? Repito, a autoridade da Santa Sé não se estende, como sanção, para as medidas que fomos obrigados a tomar, ou seria o bastante estar em comunhão de fé com essa Sé sem adicionar submissão e obediência?, --uma coisa que não pode ser mantida sem danificar a Fé Católica? De fato, Veneráveis Irmãos e amados Filhos, isso é uma questão de reconhecer o poder (desta Sé), sobre até suas Igrejas, não somente naquilo que pertence a fé, mas também naquilo que diz respeito a disciplina. Aquele que negar isso é um herege; aquele que reconhece isso e obstinadamente recusa a obedecer é digno de anátema." [Papa Pio IX Quae in Patriarchatu, 1º de Setembro , 1876] Págs. 9 and 10





 





O Vaticano II é obrigatório... E é uma heresia.

Nota: A seguir temos uma carta  enviada ao editor do "The Remnant", escrita em resposta à tentativa de Christopher Ferrara de refutar o meu artigo "Resistindo o Papa, Sedevacantismo e igreja Frankenstein (Conciliar)" (Novembro
2005). O Editor, Michael Matt, se recusou a publicá-la.

* * * * *

Ao Editor do The Remnant:

Alguns comentários gerais se fazem necessários em relação [ao artigo] "Argumentos Finais contra o sedevacantismo", de Christopher Ferrara do dia 30 de novembro de 2005, assim como alguns comentários particulares sobre meu artigo "Frankenchurch":

I. O Vaticano II é obrigatório?


O Sr. Ferrara sustenta que os ensinamentos do Vaticano II não são vinculativos aonde eles contêm "novidades" que não conformam
com o que foi ensinado "em todos os lugares, sempre, e por todos" (São Vicente Lerins). Este princípio, segundo ele, demonstra que o concílio não é parte do magistério ordinário universal. Paulo VI, acrescenta o Sr. Ferrara, excluiu "expressamente" que os ensinamentos do Vaticano II tivessem o "carisma da infalibilidade".



(a) Estamos de volta á Teologia do Papa de papelão do Sr. Ferrara (e da FSSPX). O (suposto) Vigário de Cristo e os bispos do mundo promulgam ensinamentos e leis. Advogados de Nova Jersey (essa palavra de novo!), bispos excomungados, e quem quer que seja, podem escolher quais os ensinamentos e leis são obrigatórias. Benvindo ao magistério self-service.

(b) A leitura do dito de São Vicente que o Sr. Ferrara e a FSSPX promovem -- você não está obrigado a nada que um papa vivo ou Concílio ensine, a menos que esteja em conformidade com a "tradição" (como é entendida pelos advogados, excomungados e leigos) -- é absolutamente errada.

Em um longo artigo, o teólogo pré-Vaticano II G. Bardy destrói esta teoria, porque "o direito de corrigir e definir a tradição autêntica... pertence à Igreja, herdeira da sucessão apostólica". Sem isso, a máxima de São Vincente "parece deixar cada indivíduo livre para escolher quais os dogmas são aceitos em todos os lugares, sempre e por todos", deixando, assim, "que a escolha pessoal tenha o direito de julgar em última instância."

Canon Bardy mencionou que esse foi o erro dos Galicanos e do proto-modernista Döllinger (excomungado mais tarde), que se opôs a infalibilidade papal no Vaticano I. (Dictionnaire de Théologie Catholique 15: 3051)

(c) Para apoiar sua afirmação de que as "novidades" do Vaticano II não são do magistério ordinário universal, e que, então, não são obrigatórias, o Sr. Ferrara cita a audiência de Paulo VI do dia 12 de janeiro de 1966: "Tendo em vista a natureza pastoral do Concílio, evitou-se proclamar de maneira extraordinária qualquer dogma com a marca da infalibilidade."

Isso não prova nada. "Extraordinário" refere-se a solene definições dogmáticas, que todos concordam o Vaticano II não fez.

Mas depois descobrimos que o Sr. Ferrara (seja por desonestidade ou descuido) deixou de fora o resto da frase:

"Mas [o Vaticano II], no entanto, dotou seus ensinamentos com a autoridade do magistério ordinário supremo, e que tal magistério ordinário (e, portanto, obviamente autêntico) deve ser docilmente e sinceramente recebido por todos os fiéis, de acordo com a intenção do Concílio a respeito da natureza e do âmbito dos respectivos documentos. "

Aham!

Se você aceita Paulo VI como um verdadeiro papa, portanto, o Vaticano II é parte do magistério ordinário universal. Como católico, então, você está obrigado a aderir á ele. Esse foi o meu ponto.

Ainda não está convencido? Aqui está a fórmula típica do final de cada documento Vaticano II:

"Toda e qualquer matéria declarada nesta Constituição Dogmática foram aprovadas pelos Pais deste sagrado Concílio. E nós, pela apostólica autoridade que nos foi dada por Cristo, juntamente com todos os Veneráveis ​​Padres, no Espírito Santo, aprovamos, decretamos e estabelecemos estas coisas; e o sínodo estabelece assim, todas as coisas, a fim de serem promulgadas para glória de Deus ... Eu, Paulo, Bispo da Igreja Católica. Seguem-se as assinaturas do resto do padres".. (AAS 57 [1965], 71)

Que parte de "autoridade apostólica", "Espírito Santo" e "resto dos Padres" você não compreende?

Resumindo: O self-service doutrinário está encerrado. Se Paulo VI foi um verdadeiro papa, há apenas um prato no seu menu: Vaticano II.

II. A "igreja frankenstein" (Conciliar) é uma heresia?

Na parte II da sua série, o Sr. Ferrara me desafiou: "Mostra-nos a heresia!"

Bem, eu mostrei a ele a definição de heresia (cânon 1325), a sua distinção em três partes (citando Michel), o tipo de doutrina que deve ser negada (Michel), como deve ter sido proposta uma tal doutrina (Michel), os tipos de termos e proposições que constituem uma negação (Schultes, Michel), os requisitos para pertinácia (Michel), proposições de amostra da heresia da "igreja frankenstein" (dezenove exemplos, incluindo os do Catecismo e CDC de JP2), o artigo do Credo que a "igreja frankenstein" nega (Creio em uma só Igreja), como o Magistério entende este artigo (nove textos papais, um de de Groot), e, finalmente, como os princípios sobre pertinácia se aplicam aos papas pós-conciliares (Michel, Cardeal Billot).

Contra isso, o melhor que Sr. Ferrara me vem é com uma nota de rodapé de Dominus Jesus dando uma suposta interpretação "autêntica" da palavra "subsiste" na Lumen Gentium. Muito interessante. 

Contudo:

(a) Por que devemos, repentinamente, ficarmos obrigados por uma nota de rodapé de uma declaração da cúria se, sob a hermenêutica Ferrara, tudo que o Concílio ensina, é opcional?

(b) Isso deixa o Sr. Ferrara dezoito proposições restantes da igreja Frankenstein (conciliar), com nove citações de papas pré-Vaticano II (a ponta do iceberg) e praticamente qualquer tratado de eclesiologia pré-Vaticano II escolhido aleatoriamente da prateleira. Boa sorte.

Mostrei-lhe a heresia, Sr. Ferrara. Agora mostre-me a ortodoxia.


Padre Anthony Cekada



__________________


 (Internet, janeiro de 2006)
www.traditionalmass.org
www.SGGResources.org



=================


Friday, July 15, 2016

Os Bispos da linhagem Thuc

Durante uma conversa com Mons. Marcel Lefebvre, em 1980, dei a entender que me preocupava encontrar algum bispo logo após sua morte que pudesse ordenar sacerdotes católicos tradicionalistas e confirmar as nossas crianças.

O Arcebispo - que até então não havia dado indícios de que sagraria bispos algum dia - respondeu-me, com tato, que esse problema também lhe preocupava e que "Deus providebit" (Deus proveria). E ainda completou - com seu típico humor francês - que cada vez que ficava resfriado ou tossia no interior da capela do Seminário de Ecône, quase lhe parecia ouvir aos 80 seminaristas que deixavam de rezar para fazer em silêncio uma só prece fervorosa: "Senhor, que viva ao menos até minha ordenação".

Esta anédota graciosa põe em relevo um grave assunto. Para nós, católicos tradicionalistas, os sacramentos constituem o centro de nossa vida espiritual e a chave de nossa salvação. Sabemos que se desejamos ouvir Missa, receber a Santa Comunhão, receber a absolvição de nossos pecados e ser fortalecidos com a Extrema Unção, necessitamos de sacerdotes, e é de nosso conhecimento que só os bispos podem ordenar sacerdotes.

Pois bem, onde podemos ir buscar um Bispos que ordene sacerdotes católicos tradicionalistas, e garantir assim que a Missa Latina tradicional (a única romana, n.d.t.) continue sendo celebrada em nossos altares?

O laicato e o clero ligados à Fraternidade São Pio X (especialmente os seminaristas ansiosos) já não têm mais com o que preocupar-se (neste sentido pelo menos, n.d.t.). Em 30 de junho de 1988, o Arcebispo Lefèbvre e o Bispo de Campos, Brasil, Antônio de Castro Mayer, sagraram quatro bispos para a Fraternidade São Pio X; desde então, estes bispos ordenam novos sacerdotes para a Sociedade e há pouco (em 1991) sagraram um bispo para suceder a Dom Antônio de Castro Mayer em Campos.

Os bispos de Lefèbvre restringem seus deveres ministeriais meramente às capitais e ao clero, que admite todas as opiniões teológicas da Fraternidade sem questioná-las e que lhes rendem o controle legal de seus bens.

Mesmo assim, estes bispos ordenarão sacerdotes somente aos seminaristas que jurem fidelidade às posturas da Fraternidade.

Muitos sacerdotes tradicionalistas estão em desacordo com as posturas e as políticas da Fraternidade. Assim, dificilmente podemos pensar em um bispo de Lefèbvre se quisermos que as crianças de nossas capelas recebam o Sacramento da Confirmação. Menos ainda poderemos achar um Seminário que forme o clero que nos sucederá algum dia, e supor tão logo que os bispos de Lefèbvre fossem ordenar sacerdotes aos seminaristas que formássemos.

Mas os bispos de Lefèbvre não são a única opção. Nos EE.UU.

existem atualmente seis clérigos católicos tradicionalistas comumente conhecidos como bispos "Thuc" que, diferente dos bispos de Lefèbvre, não pertencem a uma única organização. Trabalham com total independência uns dos outros (como a maioria dos sacerdotes tradicionalistas), ainda que alguns deles se ajudem mutuamente para realizar determinadas tarefas apostólicas.

À semelhança dos sacerdotes católicos tradicionalistas, estes seis bispos Thuc também são um grupo a parte. Cinco deles são homens de mais idade, formados e ordenados sacerdotes antes que as desastrosas mudanças pós-conciliares fizessem sentir seu impacto; um (mais jovem) recebeu uma formação tradicional e foi ordenado segundo o rito antigo muito depois da conclusão do Concílio Vaticano II. Três eram sacerdotes diocesanos; três pertenciam a diferentes ordens religiosas. Quatro dos bispos colaboram gentilmente com distintas capelas e clero católicos fora de suas próprias regiões; dois dos bispos estão completamente distantes, em lugares muito distintos. Destes seis bispos, um deles tem fama, outro não é demasiadamente conhecido, e outros quatro (dois deles sagrados há pouco tempo) são muito bem considerados nos lugares onde desempenham seu apostolado, seja por seus escritos ou pelo ministério sacerdotal.

Os bispos Thuc norteamericanos podem remontar suas sagrações episcopais a um destes dois homens:

- Dom M. L. Guérard des Lauriers, O.P., o ex confessor de Pio XII e professor da Pontifícia
Universidade Lateranense de Roma e do Seminário a Fraternidade São Pio X em Ecône, Suíça (ele foi um de meus professores), e autor da famosa Intervenção Ottaviani (o Breve Exame Crítico do Novus Ordo Missae).



- Dom Moisés Carmona Rivera, sacerdote diocesano procedente de Acapulco, doutor em Teologia e professor do Seminário da mesma diocese, que durante anos disse a Missa tradicional para numerosos fiéis de distintas partes do México.


Em 1981 Dom Guerárd e Dom Carmona foram sagrados bispos por uma mesma pessoa: Dom Pedro Martinho Thuc (†1984), Arcebispo de Hue, Vietnã.

Dom Pedro Thuc - nomeado pelo Papa Pio XI e sagrado bispo em 1938 - foi o fundador da Diocese de Vinh-long. Em 1963, enquanto estava em Roma para assistir ao Concílio Vaticano II, seu irmão, Ngo-dinh-Diem, Presidente do Vietnã do Sul, foi derrocado e assassinado durante um Golpe de Estado. Não podendo voltar ao Vietnã e sendo marginalizado no Vaticano, Dom Pedro Thuc teve que sobreviver a duras penas como sacerdote assistente em distintas paróquias dos arredores de Roma.

Aparentemente, seu interesse pelo movimento tradicionalista havia começado em princípios de 1975, quando visitou o Seminário de Mons. Lefèbvre em Ecône, Suíça. O episódio resultou em ser e não ser uma benção ao mesmo tempo, pois foi lá que Dom Thuc fez amizade com o Pe M. Revaz, antigo Chanceler da diocese suíça de Sion e professor de direito Canônico no Seminário de Ecône. Mais tarde o Pe Revaz, um dos braços de Dom Lefèbvre, convenceu a Dom Thuc de que a solução dos problemas da Igreja se achava numas supostas "aparições marianas" no Palmar de Troya, Espanha, e insistiu com o Arcebispo que consagrasse bispos destinados aos seguidores do Palmar que desejavam conservar a Missa tradicional. Dom Thuc aceitou e realizou as consagrações em dezembro, mas, no ano seguinte, repudiou sua ligação com o Palmar de Troya. (EINSICHT nº 11,março de 1982: "Eu não tenho mais relações com o Palmar desde que seu chefe se proclamou Papa. Eu desaprovo tudo o que fazem.")

Os católicos tradicionalistas que argumentam sobre as ações posteriores de Dom Thuc dentro do movimento tradicionalista pertenceriam a dois campos contrários. O primeiro grupo o canoniza, retratando-o como um valoroso herói que, invariavelmente, rechaçou todos os erros da Igreja Conciliar. O segundo grupo o injuria, pintando-o como um pobre velho tonto que carecia do estado mental necessário para conferir um sacramento.

Ambos grupos estão equivocados. Por um lado, mesmo dizendo a Missa tradicional, Dom Thuc dificilmente seria um outro Atanásio. Suas ações e declarações sobre a situação da Igreja eram, como as de Dom Lefèbvre, contraditórias e mistificadoras. E também, à semelhança de Dom Lefèbvre, aparentemente aceitou um acordo com o Vaticano para logo mudar de opinião. Por outro lado," vai e vens" teológicos e os erros de juízo prático simplesmente demonstram que determinado Arcebispo (cada qual eleja o que desejar) é humano e falível. Isso não prova que tenha perdido a capacidade mental mínima requerida para administrar um sacramento validamente*.


Padre Anthony Cekada


* Em suas sagrações estavam presentes pessoas idôneas que atestaram a sua sanidade mental. Além disso, Mons. Thuc seguiu rigorosamente o Pontifical antigo, lendo tudo em latim, o que um débil mental não faria.


Artigo visto primeiro aqui.


.

Thursday, July 14, 2016

Como posso saber se tenho vocação ao sacerdócio?



 A vocação ao sacerdócio é simplesmente a vontade de Deus de você se tornar um padre. O problema surge em conhecer a vontade de Deus para você nesta vida. Vocações não costumam acontecer por visões ou vozes interiores, mas sim por sinais - sinais em seu caráter, piedade e inclinações que o Espírito Santo está movendo você para o sacerdócio. Estes são os sinais comuns da vocação:
Seminário Tradicional Most
 Holy Trinity - vista aérea

A inclinação genuína e constante de espírito para servir a Deus como padre. Você se sente atraído pela vida de sacerdote e as coisas eclesiásticas. Você pode estar interessado na liturgia, dogma sagrado, ou a obra missionária. Há algo sobre o sacerdócio que atrai você.
Um desejo genuíno de promover a glória de Deus e da Sua Igreja e pela salvação das almas. Este é o verdadeiro trabalho do sacerdote, e isso às vezes exige grandes sacrifícios. Este é o único verdadeiro motivo de se tornar um padre. Seria errado se tornar um padre pelo motivo errado, por exemplo, para que as pessoas tenham grande respeito por você.
Uma boa vida moral. Um dos sinais de não se ter vocação é a incapacidade de ficar sem pecado mortal por um longo tempo. Mas esta exigência não significa que você deve ser um santo para considerar o sacerdócio; isso simplesmente significa que você deve ser sério em relação sua vida espiritual, que você freqüente os sacramentos frequentemente, evite ocasiões de pecado, e levar uma vida recta.
Piedade. A vida de um sacerdote é uma vida de oração, e parte de uma vocação ao sacerdócio é uma inclinação à oração - oração litúrgica e oração privada.
Estabilidade emocional. O sacerdote deve ser um pai para todos, e deve suportar os problemas de todos, e não pode ser complicado por problemas emocionais e psicológicos.
Inteligência básica, pelo menos. O sacerdote deve transmitir fielmente a doutrina católica aos fiéis, e com precisão diagnosticar seus pecados no confessionário. Por isso, ele deve ter a capacidade intelectual pelo menos mediana para passar seus cursos no seminário.
Boa saúde física. O sacerdote deve estar em boa condição física, a fim de realizar o seu trabalho. Aqueles que sofrem de doenças crónicas ou que são deficientes não pode entrar no sacerdócio.

 E se eu estiver em dúvida sobre a minha vocação?

Você deve ir até um bom padre que você conheça e perguntar o que ele pensa. Peça a ele para ser seu confessor regular, e familiarizá-lo abertamente com todas as suas fraquezas e tentações, bem como seus pontos fortes e dons, e confiar nele para aconselhá-lo. Ainda mais importante, orar fervorosamente e perseverantemente a Deus que você seja iluminado nesta matéria.

Eu não deveria esperar para ir para o seminário até que eu seja mais velho ou ter me formado na faculdade?

Absolutamente não. A vocação é frequentemente perdida por atraso. Quatro anos de faculdade lhe dará apenas distrações, pesadas dívidas para pagar, tentações e cursos que não irá aproximá-lo do sacerdócio. Melhor atender ao chamado logo que você ouvi-lo. Lembre-se, também, que o seminário é aonde um jovem testa sua vocação para viver a vida clerical. Se você tem realmente uma vocação ou não, ficará claro depois de algum tempo no seminário.

____________________________

O Seminário da Santíssima Trindade (Most Holy Trinity) foi fundado em 1995 em um edifício em comum com a Escola Maria Auxiliadora em Warren, Michigan. Como era necessário que o seminário funcionasse em seus próprios local, o Seminário da Santíssima Trindade adquiriu 50 acres de terra em 2003 perto de Brooksville, Florida, (cerca de 50 minutos ao norte de Tampa), com vista para a construção de um novo edifício e relocação de suas operações para o local. A construção começou em abril de 2005. Em abril de 2008, o Seminário abriu oficialmente suas portas na nova instalação.

Seminário Tradicional Most Holy Trinity - vista frontal




Resistência de São Paulo á São Pedro justifica a desobediência ao Papa?

Os Teólogos não apoiam "resistência" pública à legislação e doutrina de um verdadeiro papa.

Diante disto, a turma do "R&R" (Reconhece & Resiste - FSSPX/'Resistência') tem interminavelmente -- e eu quero dizer in-ter-mi-na-vel-men-te - reciclado um conjunto de citações de vários teólogos que supostamente apoiam uma "resistência" pública às "más leis e as falsas doutrinas de um papa".(17)

As cotações caem em dois grupos:

(1) Comentários sobre a Resistência de Paulo á Pedro. (Gal 2, 11-14) Aqui São Paulo repreendeu São Pedro, publicamente, pela
São Paulo "fraternalmente" repreende
São Pedro em público.
observância hipócrita das leis alimentares do Antigo Testamento: "Eu o repreendi em sua face, porque ele foi culpado.


São Tomás(18) dentre outros (19) observam que São Paulo deu um exemplo de como os subalternos devem prestar a correção fraterna, "mesmo publicamente", aos seus prelados se eles cometerem um crime público, escandaloso e um perigo para a fé. Este é o ensinamento padrão nos manuais de teologia moral.

Esse princípio, no entanto,  só se aplica a correção fraterna. Nenhum teólogo que eu conheça estende esse princípio para rejeitar leis universais disciplinares ou ensinamentos de seu magistério ordinário universal.(20) O teólogo Suarez, de fato, diz que nem Gálatas 2: 11-14, e nem Mateus 18: 17-21 permitem "correcção fraterna" de um papa através de denúncia pública do seu crime. (22)


(2) A resistência a um Papa está "Destruindo a Igreja." 

Os R & R (Reconhecer & Resistir) - muitas vezes citam passagens de teólogos do século XVI e XVI que dizem que é admissível "resistir" um verdadeiro papa que ataca as almas, incentiva sacrilégios, nomeia homens indignos ou vendem ofícios da Igreja, começam guerras injustas, provocam a violência espiritual, ordenam coisas más, profanam coisas santas, destroem a Igreja, etc. Disto, estes R & R concluem que "em circunstâncias extraordinárias, um católico pode não só ter o direito, mas o dever de desobedecer ao Papa." (23) No entanto.:

• Estas passagens não  justificam nada mais do que desobedecer comandos ruins de um papa ("Venda Fátima para a Disney", "Monsenhor, explora a Basílica de São Pedro e depois traga-me um coral de louras ..."), mas não resistindo sua leis (24) universais (que são infalíveis) e do magistério ordinário universal do papa e bispos (também infalíveis).

• Porque os R & R não examinam o contexto de suas "provas", eles concluem erroneamente que os autores estavam aprovando uma "resistência" de católicos individuais á um papa.
Mas, na verdade as citações eram parte do argumento Católico contra as teorias do teólogo conciliarista Gerson (1363- 1429) (25) sobre o quanto um concílio geral ou provincial, de bispos ou de um rei católico, poderia ou "corrigir" ou "resistir" um perverso e imoral papa --como alguns papas da Renascença que, vendiam cargos eclesiásticos, nomeavam indignos á cargos, irresponsavelmente concedia dispensas e, portanto, "manifestamente destruía a Igreja." (26)

Assim, no que se refere a cada citação, ou o título da obra em que apareceu seu contexto geral, ou a pergunta que precedeu indica claramente que Caetano, (27) Vitoria, (28) Bellarmine (29) e Suarez (30) estavam apoiando uma resistência aos papas ruins através de concílios, não indivíduos. (Veja as notas de rodapé.)


Um comentário teológico sobre Vitoria confirma isso: "... quando um papa por dispensas arbitrárias manifestamente destrói a Igreja, não as pessoas privadas, mas os bispos, no Concílio ou por mútuo acordo pode resistir a aceitar ou implementá-las... Autores distintos e fiéis defensores da autoridade papal como Caetano igualmente acolhia este ensinamento. " (31)

Vitoria coloca o último prego no caixão nas citações sobre "resistência" dos R & R:

"Proposição 23: 'Não pareceria permitido qualquer pessoa privada em sua própria autoridade resistir e não obedecer a diretrizes do Papa, por mais que estes entrem em contradição com a decisão de um concílio'." Isso é correto. Porque seria um grande ato de irreverência e quase desprezo pela autoridade suprema, se alguém fosse autorizado a agir em relação a um papa de uma forma que não é permitido nem para um bispo, cuja directiva (injusta que seja) não poderia ser desobedecida pela autoridade privada. " (32)


*****

Uma vez que a autoridade da Igreja não pode nos dar o erro ou o mal, e uma vez que indivíduos católicos não podem "resistir" um verdadeiro papa, os R & R possuem três conclusões possíveis:

(1) Os ensinamentos da missa nova e do Vaticano II são católicos. (Pare de resistir, vá á missa do Novus Ordo na Igreja de São Tailhard, faça o homeschool de seu filho Marcel com o novo Catecismo, e inscreva a pequena Filomina para coroinha feminina.)

(2) A autoridade da Igreja Católica falhou. 
(Vá para a igreja episcopal -- belas músicas, sem confissão)

(3) A Missa Nova e os ensinamentos do Vaticano II não são Católicos, e por isso não poderia ter vindo da autoridade da Igreja. 
(Bem-vindo ao...)  [Continuação em breve]


http://www.traditionalmass.org/images/articles/Resist-Franken-P.pdf

_____________________________________________

Citações

17. For example, Michael Davies, Pope Paul’s New Mass (Dickinson TX: Angelus 1980) 589ff; Atila Guimarães et al., We Resist You to the Face (Los Angeles: TIA 2000), 56ff, etc. The quotes seem to have first been circulated in an appendix to Arnaldo Xavier da Silveira’s Consideracoes sobre o Ordo Missae de Paulo VI (Sao Paulo: 1970). It was in one of his early works in Portuguese that I first saw brought together the writings of various theologians on the issue of a heretical pope — for me a rather astounding discovery. Mr. da Silveira was one of the founders of TFP.

18. Summa 2-2:33.4; Ad Galatas 2:3.11-14, S. Pauli Apostoli Epistolas (Turin: Marietti 1929) 1:542, 543; Scriptum super Sententiis 19:2.2.3 (Paris: Lethielleux 1947) 4:112ff. 

19. Cornelius a Lapide, Ad Galatas 2:11, Commentarium in S.S. (Lyons: Pelagaud 1839) 9:445, 446, 447.

20. If anyone maintains that it does, he can spare me his arguments and just cite the theological works that specifically support his position.

21. “And if he will not hear thee, tell the church.”

22. De Immunitate Ecclesiastica 4:6.12, in Opera Omnia (Paris: Vivès 1859) 24:381. “I therefore respond to the objection that fraternal correction to the Supreme Pontiff is fitting, insofar as it is a duty of charity, and as such it is proven that this may take place as someone greater by someone lesser, and as a Prelate is corrected by his subject, as Paul acted towards Peter... Thus the Pontiff may be respectfully corrected and admonished, first alone, if his crime be secret, and then before a few others, if the matter and necessity require it. But what follows, ‘tell the church,’ has no place here, because the term ‘Church’ means not the body of the Church, but [an offender’s] Prelate.... Because the pope has no superior Prelate, such a denunciation has no place in his case. Rather since he himself is the Pastor of the whole Church, the Church is sufficiently ‘told’ of his sin when it is told to the Pope himself.”

23. Thus Davies, Pope Paul’s New Mass, 602.

24. A law is general and stable. A command is particular or transitory, i.e., it has a limited object (do this or that now) or binds only a certain number of persons. See: R. Naz, “Précepte,” Dictionnaire de Droit Canonique (Paris: Letouzey 1935-65) 7:116-17.

25. See L. Salembier, “Gerson, Jean Charlier de,” in DTC 6:1312-22. Conciliarism taught that a pope was subject to a general council. Gerson was a favorite of 16th-century Protestants.

26. See J-G Menendez-Rigada, “Vitoria, François de,” in DTC 15:3130. “il réprou- ve avec quelque âpreté l’abus que les papes de la Renaissance faisaient de leurs pourvoirs pour concéder toutes sortes de dispense....par des dispenses arbitrar- ies détruit manifestement l’Église....”

27. Note the title: The Authority of the Pope and a Council Compared. The most- frequently quoted R&R passage (“resisting a tyrant is an act of virtue...a pope publicly destroying the Church must be resisted,” etc.) appears in chapter 27, and is immediately followed by: “Many are the ways by which, without rebel- lion, secular princes and prelates of the Church, if they wish to use them, may offer resistance and an obstacle to an abuse of power.” See De Comparatione Auc- toritatis Papae et Concilii, (Rome: Angelicum 1936), 411-12.

28. Note the title: The Power of a Pope and a Council. The R&R passage (“A pope must be resisted who publicly destroys the Church... he should not be obeyed... one would be obliged to resist... it is licit to resist him,” etc.) is a response to question 23: “Once a Council has made such a declaration and decree, if a Pope were to command the contrary, would it be permissible for bishops or a pro- vincial Council to resist such a command on their own, or even petition princes to resist the Supreme Pontiff by their power, thus preventing the execution of his commands?” De Potestate Papae et Concilii 23, in Obras de Francisco de Vitoria: Relecciones Teologicas (Madrid: BAC 1960) 486. Vitoria incorporates into his re- sponse the above-quoted R&R passage from chapter 27 of Cajetan’s work.

29. The R&R passage (“...it is licit to resist [a Pope] who attacks souls... or above all, tries to destroy the Church... It is licit to resist him by not doing what he orders and by impeding the execution of his will...”) is a response to Objection 7: “Any person is permitted to kill the pope if he is unjustly attacked by him. There- fore, even more so is it permitted for kings or a council to depose the pope if he disturbs the state, or if he tries to kill souls by his bad example.” De Romano Pon- tifice II.29 in De Controversiis Christiani Fidei (Naples; Giuliano 1836) 1:417-18. All nine arguments in chapter 29 are over whether a pope is subject to a king or a council. In his response to Objection 7 Bellarmine likewise cites the above-quoted R&R passage from chapter 27 of Cajetan’s work. See also: Cekada, “The Bellar- mine Resistance Quote: Another Traditionalist Myth,” SGG Newsletter (October 2004), www.traditionalmass.org

30. Note the title: Ecclesiastical Immunity Violated by Venice. For the R&R passage (“If [a Pope’s] violence would be spiritual, ordering [n.b., not legislating/teaching] evil things, or profaning or destroying sacred things, he may be resisted in a proportionate way”), Suarez likewise cites for his authority Chapter 27 of Cajetan (“secular princes and prelates of the Church...may likewise offer resistance), and even uses some identical language. De Immunitate Ecclesiastica 4:6.17-18 in Opera Omnia 24:383.

31. Menendez-Rigada, DTC 15:3130-1. “Il vaudrait mieux que, quand le pape par des dispenses arbitraires détruit manifestement l’Église, non point les particuli- ers, mais les évêques, en concile ou d’accord entre eux, résistassent à leur accep- tation et à leur mise à l’exécution, demeurant sauf le respect dû au pontife. Ainsi le soutiennent des auteurs distingués et de fermes défenseurs de l’autorité pon- tificale, tel le cardinal Cajetano.”

32. De Potestate 22, Obras, 485: “Non videtur permittendum cuicumque privato sua auctoritate resistere et non parere mandatis Pontificis... Probatur. Quia esset magna irreverentia et quasi contemptus, si cuilibet hoc concederetur respectu Pontificis... non licet propria auctoritate discedere.”

São Roberto Belarmino apoia resistir ao Papa?

Nos debates entre os católicos tradicionais sobre a legitimidade dos papas pós-conciliares, a seguinte citação de São Roberto Belarmino é repetidamente reciclada:

"Assim como é lícito resistir ao Pontífice que agride o corpo, é também lícito resistir ao que agride as almas ou que perturba a ordem civil, ou, acima de tudo, que tenta destruir a Igreja. Digo que é lícito resistir-lhe, não fazendo o que ele ordena e impedindo que as suas ordens sejam executadas; não é lícito, porém, julgá-lo, castigá-lo ou depô-lo, porque estes actos competem a um superior."
 (De Romano Pontifice. II.29.)


       Alguns usam esta citação, tirada do longo tratado de Belarmino que defende o poder do papa, para condenar o "sedevacantismo"a tese que sustenta que a hierarquia pós-conciliar, incluindo os papas pós-conciliares, perderam seus cargos ipso facto por [suas] heresias. Eu já havia visto isso sendo empregado desta maneira não menos que três vezes nos últimos quatro meses - uma vez no "The Remnant" (Edwin Faust, "Signa Temporum", 15 de abril de 1994, 8), uma vez no "The Catholic" (Michael Farrell, Carta ao Editor, "resposta simples para os Sedevacantistas", Abril de 1994, 10), e uma vez por um padre da Fraternidade São Pio X.

      Os Católicos tradicionais que rejeitam a Missa Nova e as mudanças pós-Vaticano II, mas que ainda sustentam que os papas pós-conciliares exercem o cargo legitimamente - um grupo que inclui a FSSPX, Michael Davies, e muitos outros - também vêem nesta passagem algum tipo de justificação para reconhecer alguém como papa, mas rejeitar seus comandos.

      A citação tem sido citada várias e várias vezes para apoiar tais posições, sem dúvida, de completa boa fé. [Mas] infelizmente, ela foi tirada do contexto e completamente mal aplicada. Em seu contexto original, a declaração de Belarmino não condena o princípio por trás da posição sedevacantista, e nem justifica resistir as leis promulgadas por um papa validamente eleito.

      E mais, no capítulo imediatamente após a declaração citada, Belarmino defende a tese de que um papa herético perde automaticamente seu ofício.

      De passagem, devemos primeiro observar como é uma estúpida calúnia citar esta passagem e sugerir que os sedevacantistas "julguem", "punam" ou "deponham" o papa. Eles não fazem nada disso. Eles apenas aplicam às palavras e atos dos papas pós-conciliares um princípio enunciado por muitos grandes canonistas e teólogos, incluindo (como veremos) São Roberto Belarmino: um papa herético "depõe" a si mesmo.


I.  O significado da passagem tem sido distorcido ao ser colocado fora de seu contexto próprio.

      A passagem citada é de um longo capítulo aonde Belarmino se dedica a refutar nove argumentos defendendo a posição de que o papa está sujeito ao poder secular (Imperador, Rei, etc.) e um Concílio Ecumênico (a heresia do conciliarismo).

      O contexto geral é, portanto, uma discussão sobre o poder do Estado frente-a-frente ao papa. Obviamente, isso não tem nada a ver com as questões que os sedevacantistas levantaram.

      No seu contexto particular, a citação que eles usam frequentemente, é parte de refutação de Belarmino no seguinte argumento:

Argumento 7. Qualquer pessoa pode matar o papa se ela for injustamente atacada por ele. Portanto, é será permitido, ainda mais, que reis ou um concílio deponham o papa se ele perturba o estado, ou se ele tenta matar almas por seu mau exemplo.

Belarmino responde:

Eu respondo, negando a segunda parte do argumento. Para resistir aquele que ataca e defender a si mesmo, nenhuma autoridade é necessária, nem é necessário que aquele que é atacado seja o juiz e superior daquele que ataca. Autoridade é necessária, no entanto, para julgar e punir.

É somente aí, então, que Belarmino afirma:

     Assim como é lícito resistir ao Pontífice que agride o corpo, é também lícito resistir ao que agride as almas ou que perturba a ordem civil, ou, acima de tudo, que tenta destruir a Igreja. Digo que é lícito resistir-lhe, não fazendo o que ele ordena e impedindo que as suas ordens sejam executadas; não é lícito, porém, julgá-lo, castigá-lo ou depô-lo, porque estes actos competem a um superior.
 (De Romano Pontifice. II.29.)

      A citação, então, não é uma condenação do "sedevacantismo." Belarmino, ao invés disso, está a discutir o curso de ação que pode legitimamente ser tomado contra um papa que perturba a ordem política ou "mata almas por seu mau exemplo." Um rei ou um concílio não pode depor tal papa, Belarmino argumenta, porque eles não são seus superiores - mas eles podem resistir a ele.

      Esta citação também não ajuda os católicos tradicionais que reconhecem João Paulo II como papa, mas que rejeitam sua Missa e ignoraram suas leis.

      Em primeiro lugar, a passagem justifica a resistência por reis e concílios. Ela não diz que os bispos individuais, sacerdotes e leigos possuem esse direito de resistir ao papa e ignorar seus comandos por conta própria- muito menos que eles possam erguer locais de culto em oposição aos bispos diocesanos que um papa legalmente nomeou.

      Em segundo lugar, observe as causas precisas para a resistência no caso que Belarmino está discutindo: Perturbação do estado ou mau exemplo dado. Estes, obviamente, não são a mesma coisa que a legislação litúrgica papal, leis disciplinares ou pronunciamentos doutrinais em que um indivíduo possa, de alguma forma, considerar prejudicial. Belarmino dificilmente aprovaria ou daria carta branca ao descaso de 30 anos [já viraram 50 anos] as directivas do homem que eles alegam reconhecer como ocupantes legítimos do ofício papal e os Vigários de Cristo na terra.

      Em suma, a passagem não condena o sedevacantismo e nem apoia os tradicionalistas, como os adeptos da Fraternidade São Pio X.


II.  Belarmino ensina que um papa herético perde automaticamente seu ofício.

      No capítulo a seguir de onde tal passagem é citada, São Roberto Belarmino trata sobre a seguinte pergunta: "Se um papa herege pode ser deposto." Note-se, em primeiro lugar, que a sua pergunta pressupõe que um papa pode, de facto, tornar-se um herege.

      Após uma longa discussão de várias opiniões dadas por teólogos sobre esta questão, Belarmino diz:

A quinta opinião é, portanto, a verdadeira. Um papa que é um herege manifesto automaticamente (por si só) deixa de ser papa e cabeça, assim como ele deixa automaticamente de ser um cristão e membro da Igreja. Portanto, ele pode ser julgado e punido pela Igreja. Este é o ensinamento de todos os Pais da Igreja (ancient Fathers) que ensinam que os hereges manifestos perdem imediatamente toda jurisdição. (De Romano Pontifice. II.30. Minha ênfase)

      Belarmino, em seguida, cita passagens de Cipriano, Driedonus e Melchior Cano em apoio a sua posição. A base para este ensinamento, finalmente ele diz, é que um herege manifesto não é de modo algum um membro da Igreja - nem de sua alma e nem de seu corpo, nem por intermédio de uma união interna ou externa.

      Assim, os escritos de Belarmino, longe de condenar a posição sedevacantista, fornece o princípio central em que ela se baseia — que um papa que se torna um herege manifesto perde automaticamente seu ofício e jurisdição.

      O ensino de Belarmino não é uma opinião isolada também não. Ele nos assegura que é o ensinamento de todos os antigos Pais da Igreja (ancient Fathers). E o princípio que ele enunciou foi reiterado por teólogos e canonistas até o século 20, incluindo os dos comentadores do Código de Direito Canônico de 1983 promulgado pelo próprio João Paulo II.

* * * * *

Portanto, aqueles que reconhecem João Paulo II como papa [mas] ignorando todos os seus mandamentos, não podem ter qualquer consolo na passagem de Belarmino.

      É a posição sedevacantista, antes de tudo, que é apoiada pelo ensinamento do grande Roberto Belarmino: um papa legítimo deve ser obedecido; um papa herético perde seu ofício.


Padre Anthony Cekada (Sacerdotium 12, Verão 1994).